16.4.08

Uma senhora difícil mas encantadora.

Aos meus olhos, e continuarei porque me diverte esta procura de características físicas e traços da personalidade até à definição do sexo das regiões e cidades de Portugal, a maior parte delas espelha a realidade portuguesa, i.e., há mais mulheres que homens. Quer dizer, então, que apesar das reais e injustas desigualdades, Portugal é um matriarcado. Aos meus olhos, claro. Já pensei e rascunhei sobre o Algarve, àcerca de Trás-os-Montes, sobre o Alentejo e o Minho, mas acerquei-me das Beiras, sem distinção, porque as aprofundei nesta minha apreciação. E sem surpresa concluí que as Beiras são uma mulher. Se a Invicta é uma senhora que teve uma infância e uma juventude difíceis, as Beiras são uma senhora cuja a vida, mesmo adulta, não tem sido fácil, como não é fácil arrancar-se um sorriso dessa senhora, a não ser que com ela se prive na intimidade. As Beiras são uma mulher impenetrável, ligada a raízes profundas, que conduz a sua vida assente em valores inabaláveis e princípios claros e rectilíneos, o que a torna numa mulher séria, talvez demasiado séria. Os momentos de descontracção são uma raridade e ela é uma mulher desconfiada por natureza. As Beiras são uma mulher que não se dá, precisa ser conquistada, exigindo um esforço hercúleo a quem toma nas suas mãos essa empreitada, levantando autênticas paredes de granito que transformam o cerco numa epopeia que pode durar uma vida. As mesmas paredes e o mesmo granito que lhe esculpiu uma beleza crua e admirável, e um corpo sólido de formas generosas mas numa harmonia que a Natureza lhe concedeu. Uma beleza que precisa ser olhada várias vezes, exigindo atenção e curiosidade. Definitivamente, as Beiras não são uma mulher a quem sucumbimos num primeiro encontro. Além do mais, é uma mulher que assusta qualquer homem, por tão séria e misteriosa ser. Acho que não nasceu para ser namoradeira. No namoro, que para ela mais não é que uma etapa para o casamento, deixa-se envolver, mas a uma relação para ela atinge a plenitude com o tempo. E nasceu para ser mãe, dedicando-se devotadamente e sem limite à sua prole. As Beiras não são uma senhora sedutora, são uma senhora que precisa ser seduzida. Talvez aí resida o seu encanto, porque nessa contínua sedução e depois de a conhecer bem, ela mostra-se uma senhora encantadora. E entrega-se aos poucos, com raríssimas concessões, necessitando de quem a ama de um esforço permanente, contudo gratificante, porque as Beiras são uma mulher que sabe retribuir. Uma mulher para quem a palavra amor tem mais significado que a palavra paixão. Aos meus olhos, as Beiras são uma senhora assim: coreácea, firme, convicta, fechada no seu mundo imutável e de uma beleza peculiar e misteriosa. Uma senhora que não conhece o meio termo, de quem se gosta ou detesta e para quem a virtude não está ao meio, está onde estiverem os seus valores. Uma mulher só aparentemente serena, guardando em si um vulcão escondido das vistas dos mais distraídos. Uma senhora de quem os alfacinhas, por exemplo, perguntarão se no coração dela está um ferrolho em vez de uma simples fechadura.

4 comentários:

Once In a While disse...

A Beira é “dureza” caro Mike .. é mulher vergada no campo, homem fora o dia todo atrás de rebanho.
A Beira é menina de rio lavada, trouxa de roupa à cabeça, pé descalço no mato, arranhadela.
A Beira é terra bravia pintalgada de giesta peganhenta, passeio de fim de dia, cheiro a pinha e eucalipto.
A Beira é seara madura, dourada de vento e terra em verde milho semeada.
Casinhoto de pedra, lareira acesa e queijo acabado de coar.
.. ordenha, leite quente e gostoso, cheio de nata a boiar.
A Beira é .. minha :)

Gostei muito de lhe ler aqui na abordagem às Beiras-mulheres .. e .. sorry for the testemoy *

Once In a While disse...

troque ali aquele "lhe" por um "o" if you please ;)

Mike disse...

Por quem sois Miss Once...
Eu é que me sinto um privilegiado pelo seu testemunho feito de força e graciosidade. E feliz me confesso por ler uma beirã dizendo-me que a mulher Beiras imaginada apenas por mim e em mim, se espelha no retrato que fiz, de uma senhora difícil mas encantadora.
Grato estou.

cristina ribeiro disse...

Bem agradável, esta série de associações...

Arquivo do blog