4.4.08

Castelo de Arraiolos.

Atravessaram a porta, que outrora separava cristãos de infiéis, de mãos dadas, ele sentindo-se rei de reino algum e ela rainha de um sonho vivido naquele instante em que os minutos pararam para que o momento fosse apenas vivido a dois. Ameias antigas construídas na vontade de acreditar num futuro incerto como só ele pode ser, vigiaram os passos dados em silêncio e tendo como anjos da guarda sorrisos velados e olhares em busca de certezas. Pedras gastas colocadas uma sobre a outra com paciência e crença, antecipando o que a vida poderia ser. Confidências e promessas segredadas em recantos escondidos por portas ancestrais que se deixam abrir e atravessar sem queixume. Sombras de um passado que se desenham no rosto marcado do rei de reino algum e no belo rosto da rainha de um sonho desejado. Raios de sol que são luz, luz que ilumina corações, que ilumina quem está, quem quer estar.

(in Histórias vividas num Castelo).

4 comentários:

av disse...

Mike, acabei de aterrar aqui e já estou encantada. Vejo que tenho muuuuuito que ler...
E encontro, ainda por cima, a Once e a Cristina Ribeiro, por isso sinto-me em casa.
Voltarei, já sei.

Mike disse...

Seja bem vinda av. Sinta-se como em sua casa. Espero que goste de desconversar (risos)...

cristina ribeiro disse...

Arraiolos...; gosto muito, e não só do castelo .
Tem, também, a Pousada de que talvez mais gosto.

Mike disse...

Também gosto muito da pousada, Cristina :).

Arquivo do blog