27.5.09

Esta ideia peregrina de assar frangos que não me larga, tem que se lhe diga.

Foi o comentário da Si que originou este texto. Aparentemente tenho quatro sócias. Quantos homens não gostariam de estar na minha pele? Muitos, imensos, resmas, paletes. Mas vamos por partes que esta sociedade tem que se lhe diga. Primeiro porque uma das sócias não quer ter participação na sociedade e pretende reservar a sua posição como assalariada. É bom de ver o que está por trás desta pretensão. Se correr mal não tem nada a ver com o assunto, mas se correr bem, e tudo aponta nesse sentido, teria uma participação dos lucros a título de prémio de produtividade e rendimento. Não condeno, acho até justo, mas neste caso sou apologista de assunção e partilha de compromisso no negócio. Portanto, GJ, ou é sócia ou não entra no negócio. Depois há a situação da Fugidia. Que assar frangos é para mim, que tem o sonho de ter um cabeleireiro, que as madames depois precisam de quem lhes tire o cheiro a frango do cabelo, e que o negócio só faria sentido se houvesse um salão de cabeleireiro ao lado da casa dos frangos. Está-se mesmo a ver que a Fugidia poria as mãos nos cabelos das madames norueguesas e eu teria as minhas enfiadas nos frangos e no carvão. Pelo menos aceita o risco da sociedade, mas pôr as mãos nos frangos, está quieto. Vou deixar a Luísa para o fim e perceberão porquê. Vamos à Si. A Si é eloquente, fala sueco numa prosa poética e alvitra com grande lata. Diz a Si, muito despachada com um making a point glamoroso, que a Fugidia “cabeleireira”, a Luísa fotografa (imagino que sejam os frangos, só pode), a GJ “assalaria” (estou para saber o que quer dizer com isto), Ela propõe-se “sloganizar” (por acaso é a minha profissão, mas pronto), e eu asso. Eu asso mas não é frangos. Asso na grelaha e saio é assado neste negócio de aves. Mas em relação à proposta da Si há mais. Não, não se riam, Ela criou, à luz de ser empreendedora e nunca perder uma oportunidade, o seu próprio negócio. Lindo: eu a assar e a Si a ganhar dinheiro com os direitos dos slogans. E ainda pergunta quando recebe a primeira tranche. Credo! Eu até dei uma gargalhada nervosa por me ter lembrado de um célebre peru que ia ser trinchado com uma faca de sobremesa, por pura incompetência. Mas não, Ela está a falar da tranche em dinheiro, claro. Por fim a Luísa, que parece ser a única sócia que, genuinamente, se propõe trabalhar. Seriedade, rigor, sem receio do trabalho, mãozinhas nos frangos e no carvão, de avental e touca na cabeça. Não vos parece que esta ideia de assar frangos tem que se lhe diga? Cá me parece que há apenas um frango que sairá assado neste negócio. E não tem asinhas.

24 comentários:

fugidia disse...

Humpfrt!
Que história é essa de "depois há a situação da fugidia"?!?! Que "situação da fugidia" não me diz, Mister?!
Humpfrt!
Está aqui uma moça a querer dar glamour ao negócio do Mister, procurando cativar as Senhoras dos cavalheiros que vão diligentemente comprar frangos, para que elas se apresentem bonitas, cheirosas aos seus Homens e o Mister põe-se a falar, com desprimor da "situação da fugidia"?!?!

Pois bem, faça as malas e vá sozinho e amanhe-se (ou asse, ou whatever: queria uma zanga?, aqui está, e estou com beiça do tamanho do mundo - vai ter de penar muuuuuiiiiiito, Mister, para me cativar de novo!)

Humpfrt!
Dixit!!!

mike disse...

Eu não digo que esta ideia tem que se lhe diga? Bom, resta-me fazer as malas, ou melhor, enchê-las de frangos, deixar por cá os rolos e os secadores de cabelo e ir para Oslo. Olhe, Fugidia, a menina por acaso não quererá uma coxinha de frango bem assadinha para desanuviar essa ralação? Vá, prove lá, vai ver que a cativo outra vez... (riso abafado)

Leonor disse...

Eu posso sempre escerver umas cróbicas sobre a vida na churrasqueira. Que lhe parece, Mike?

Si disse...

Ora essa!
Mas afinal de contas onde é que está o problema??
Então o título do post não assumia a sua função de assador??
Ou arrependeu-se??
E ainda acha que com o trabalho todo que eu teria a divulgar e a publicitar a empresa, os meus dividendos seriam contestáveis??
É que além de eloquente, sou prática e limitei-me a despachar o assunto da divisão das tarefas, para irmos ao que interessa, ou seja, fazer negócio e dinheiro!
Acho que estou com a Fugidia e também me desligo desta sociedade tão promissora, pela reunião de tantos talentos, tão diversos!
Fugidia, estou consigo! Acho que este senhor nunca ouviu falar de flexibilidade e polivalência!
Humpfff ao cubo!!


[;-)]

mike disse...

Ó Leonor, nós precisamos é de quem asse frangos, senhora. (muitos risos)

Si, é o que digo à Leonor. O negócio é ASSAR FRANGOS valha-me Deus. Flexibilidade e polivalência junto à grelha, senhora. Pronto, já vi que restará apenas a Luísa para me ajudar a assá-los. Nada que os primeiros comentários não fizessem adivinhar, devo confessar. É só artistas, mas meter a mão na massa, que dizer, nos frangos, é para o Mike... ;)

Si disse...

A ideia é sua, caro Mike, a ideia é sua!
Já viu que ninguém lhe quer roubar a ideia?

(nem o trabalhinho de assar???)

Ó Senhores, tem é de ver mais à frente, mais ali na direcção dos noruegueses, a salivar por um franguinho portuga, depois de se ter posto em marcha uma campanha fabulosa de marketing, que inclui fotos da Luísa, de uma norueguesa, fabulosamente penteada pela Fugidia, sorridente e feliz por não ter de cozinhar, mas oferecer na mesma à família uma fabulosa refeição, cuidadosamente marcada pela assalariada GJ, juntando, assim, o melhor de dois mundos, conforme diz o meu fabuloso slogan!!!

(Jesus! É preciso explicar tudo???)

fugidia disse...

Si, creio que o Mister, afinal, percebe pouco de negócios... pelo menos do dos frangos... ;-)

Mister,
coxinha de frango?!?
Bem assadinha?!?
Para desanuviar a ralação?!?
Francamente!!!
Humpfrt!
(dou-lhe uma dica, grátis: encher a mala de frangos talvez não seja uma boa ideia, Mister: a alfândega, coisa e tal e a Asae de lá... pois. Olhe, vá jantar e retemperar forças, que tem muito que penar por um sorriso meu :-p)

Si disse...

Fugidia,
Tsk, tsk, tsk....e ainda para mais
um publicitário??? tak, tsk, tsk...

Luz disse...

Mike e meninas

Me proponha a ser provadora. Tenham certeza que o produto sairá só se houver qualidade! ( risos)

Mike disse...

(risos)
Poder até ter razão Si. Mas o negócio começa por ser um negócio de bairro. E a melhor publicidade é o cheirinho dos frangos a assar. Lembra-se de alguma camanha publicitária da Valenciana? Pois... ;)

Fugidia,
... peitinho?
... pescocinho?
... (silêncio contendo o riso)...
... sorrisinho?

Mike disse...

Pronto, chegou a Lucia e com Ela mais uma trabalhadora mas de degustação... querem lá ver a minha vida? ;D

fugidia disse...

Mister,
pescocinho?!?
peitinho?!?
asinha?!?
ugh! brrrr! nops, nops, nops!!!

(olhar verde fulminante, e é uma sorte!)

Mike disse...

Uma sorte azarada, é o que é. Pronto, agora quem amuou fui eu... humprftt!

Luísa disse...

…… (silêncio muito humilhado) ……

(Nota explicativa: pelo que aqui li, Mike, o verdadeiro frango assado sou eu… e sem direito a asinhas!) :-(

Mike disse...

Por favor, Luísa... por quem sois, senhora. Quem está assado e frito sou eu. :(

JúliaML disse...

se for uma SA, eu entro na sociedade, se for em Comandita, tambem pensarei, se for uma Lda., eu limito-me comer os frangos uma vez por mês,tá?

Grande Jóia disse...

Eu continuo a ver vantagens no assalariado. Temos o subsídio de desemprego garantido, temos o pagamento da sesta, temos as férias pagas, e metemos baixa quando quisermos ir ao Brasil. Se formos sócias o Mike vai querer 51%e é só responsabilidades e livranças em caso de chatice. Uma Lda ainda vá, não precisa de ROC, podemos colocar as despesas dos automóveis. Meninas nada de SA, não vão nessa, aturar assembleias chatas cheias de frangos e pavões na brasa?

Luísa disse...

Mike, eu só estou muito humilhada porque não quero ser a única menina a meter as mãos nos frangos... :-(

;-D

mike disse...

Júlia, acho que a GJ tem razão quanto à SA. É melhor ser em Comandita para não se limitar a comer os frangos. ;D

GJ, quais despesas de automóveis? Nós vamos andar em trasportes públicos... facturas de taxis ainda vá. Concordo com a Lda e não abdico dos 51%, claro. SA's é que não. :)

mike disse...

Não se apoquente, Luísa. O bom senso e principalmente a famosa solidariedade feminina vai prevalecer. A Luísa não será a única menina a pôr as mãos nos frangos. Eu não deixaria que assim fosse, nem que para isso tivesse que contratar outra menina, cujo processo de selecção passaria sempre pelo seu crivo. :D

Si disse...

Eu protegi-a, Luísa, eu protegi-a!!
Alguma vez as suas sensíveis mãos de fotógrafa exímia iriam conspurcar-se com carvões em brasa, gorduras aviárias e picantes artificiais??
Nunca, 'jamé'!!

Mike, eu continuo na minha, que o cheirinho só resulta quando há identificação cultural com os aromas!
Arenque fumado, que para eles é um petisco, para nós tem um cheiro nauseabundo, por exemplo!
E o bacalhau??
Que eu saiba não o usam da mesma forma que os portugueses!
Abdique lá dos seus 51%, distribua o negócio pelas aldeias ou o seu negóciozinho de bairro ainda se afunda no mar de Bering antes de começar!!

Mike disse...

Chega tarde, Si. A Luísa esperou, esperou, mas a solidariedade feminina não chegou quando Ela precisava. Até aí nada de estranho, quando se fala de solidariedade feminina... (ar sério)
Como tarde chegam as suas ideias, que confirmam que terei que contar apenas comigo neste negócio. (o ar continua sério)

Catarina disse...

Sabe que, segundo as estatísticas, a Noruega é um dos países mais poluídos da Europa? E quer juntar a esta desgraça os fumos da grelha dos frangos? Nem pensar! Se quiser assar frangos, faça-o nas Seychelles ou nas Maldivas, que é tudo ao natural, sem chaminés, e com praias maravilhosas para surfar.

Mike disse...

Catarina, seja bem vinda. Agradeço a informação, que desconhecia. Mas se a Noruega já é assim tão poluída, não serão mais umas fumacitas causadas pelo assar de uns frangos que vai mal a Oslo. As suas recomendações sobre spots de surf são óptimas, mas creio que Bali é melhor. :)

Arquivo do blog