18.11.09

O que é nacional é bom. (XX)

É uma das referências da escola de arquitectura do Porto. Nasceu em Matosinhos, formou-se em arquitectura na Escola Superior de Belas Artes do Porto e tem obras registadas desde 1952, quando projectou a cozinha da casa de sua avó. Siza Vieira foi galardoado com inúmeros prémios, entre os quais, a Medalha de Ouro Superior Counsil of Arquitecture do Colégio de Arquitectos de Madrid, o Prémio Mies vn Rohe Award for European Architecture, o Prémio Pritzker da Fundação Hyatt de Chicago, o Prémio Nacional de Arquitectura, Prémio Secil, Medalha Alvar Aalto, The Prince of Wales Prize da Universidade de Harvard, Wolf Prize in Arts, Urbanism Special Prize of France, Royal Gold Medal for Architecture do Royal Institute of British Architects e o RIBA – Royal Gold Medal em 2009. Álvaro Siza Vieira é um arquitecto com prestígio internacional e a sua obra pode ser admirada em vários pontos do mundo. É nacional e é bom.

7 comentários:

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Concordo, Mike, mas lamento o que ele fez na Av dos Aliados.

Mike disse...

Compreendo, Carlos.
Tenho a certeza que mais pessoas dirão o mesmo de outros locais, mas que é bom, prestigiado e com reputação internacional, quase todos concordaremos.

Patti disse...

Assino o post por baixo.

mike disse...

Oh caramba, Patti... fiqui na dúvida... por baixo quer dizer que não concorda? :-S

bacouca disse...

Mike,
O Siza é realmente o expoente da arquitectura portuguesa e reconhecido internacionalmente. Tenho a sorte de o conhecer pessoalmente. Como pessoa é um homem interessantissimo, solitário e com sentido de humor. Como arquitecto atingiu tal patamar que julgo que considera as suas obras exclusivamente suas passando por vezes o risco da intolerância.
Xi

cristina ribeiro disse...

Tem coisas mesmo muito boas, algumas internacionalmente premiadas, mas também o inverso é verdadeiro: o que fez na Praça de Mumadona em Guimarães é um aborto; até dá para pensar que entregou aquilo a aprendizes....

Mike disse...

Sim Bacouca, todos sabemos que a obra de Siza (sobre o homem não me pronuncio porque não o conheço e, inclusive parece-me ser uma pessoa reservada), dizia eu que a sua obra não é consensual. Creio que não poderia ser e, pessoalmente, acho que nem deveria.
Xi. :)

...................................

Pois, Cristina... pouco posso dizer sobre isso, senão respeitar que de Guimarães é ou vive. :)

Arquivo do blog