29.1.09

O estranho caso do cinema vazio.

Tratava-se de um dos filmes mais esperados dos últimos tempos. Uma história fora do comum contada com mestria por David Fincher, com o argumento assinado pelo reputado Eric Roth. Para além disso, as principais interpretações estão a cargo de dois sólidos e talentosos actores, como Brad Pitt e Cate Blanchett. A fazer fé no trailer, que já tinha tido a oportunidade de ver, o filme era prometedor, para mim mais até que as 13 respeitáveis nomeações a Óscar. Comecei por estranhar menos o Caso de Benjamin Button que o facto de ter encontrado a sala de cinema praticamente vazia, e a quase total ausência de presença feminina quando me dirigi ao meu lugar. Concentrei-me no filme, absorvido pela figura desfigurada da criança envelhecida, de um homem que vive a vida ao contrário, que nos é trazida por um dos mais mediáticos actores da actualidade, sem, contudo, conseguir afastar tão singular estranheza. Chegou o intervalo e tive que fazer a vontade à minha impaciente bexiga que reclamava, bem antes das luzes se acenderem, da cerveja que o dono bebera. Vontade feita e o relógio indicava-me que ainda havia tempo para consumir um cigarro antes de ver o Benjamin Button, quer dizer, o Brad Pitt como o conhecemos. Já cheguei à sala com as luzes apagadas e amaldiçoei o vício. Eu e as pessoas que tiveram que se levantar para que pudesse ocupar o meu lugar. Entretanto a minha estranheza aumentara. A sala estava cheia. Cheia de mulheres, que o número de homens era o mesmo. Percebi. As senhoras não tinham ido ver o Estranho Caso de Benjamin Button e sim o sex symbol Brad Pitt. Estava desvendado o estranho caso do cinema vazio (até ao intervalo).

15 comentários:

fugidia disse...

O Mister foi sozinho?
E a sala estava vazia... de senhoras até ao intervalo?
E encheu quando o BP se tornou verdadeiramente em BT?

Mister, vejo que sonhou, só pode: o BT é bonito em qualquer idade :-p

¤¤¤¤ disse...

Essa sala de cinema foi em Lisboa ou Freixos de Espada à Cinta? (:

Patti disse...

Oh Mike, já que foi ver o filme, agradecia que me informasse do minuto exacto em que vale a pena entrar, isto é, afinal quando é que o Brad anda lá pelos 40?

Minuto exacto, por favor, pois isso do intervalo é um pouco vago!

Luísa disse...

Essa é uma explicação muito imediatista, Mike. Há aí um jogo de luzes acesas e apagadas e de antecipações e atrasos que podem ter-lhe distorcido a visão. E há ainda um incontável número de pistas e de dados por investigar, que diria essenciais à cabal clarificação do mistério. Note, por exemplo, que – para o caso de ter sido no Corte Inglês – os filmes nessa reputada casa de comércio e espectáculo nunca – repito, nunca! – começam à hora prevista… pelo menos nos horários de fim-de-tarde por que geralmente opto. Quem o sabe já só aparece numa sessão marcada para as sete por volta das oito e convenientemente jantada. ;-D

Grande Jóia disse...

Será que o Mike foi a um daqueles cinemas de sessão continua, onde não interessa o momento da entrada porque havemos de apanhar o fim e o início?
E já agora estava com óculos antes e depois do intervalo?

cristina ribeiro disse...

Pelo título, e pelas deduções, será que estamos a assistir ao nascimento de um escritor de Policiais, Mike? :)

Mike disse...

Pronto, a menina tem razão, Fugidia... digamos que estou a desconversar. :-)

****, foi em Lisboa, claro. ;-)

Ó Patti assim obriga-me a ver o filme outra vez... é que com tanta estranheza não tomei atenção às horas, quanto mais aos minutos. ;-)

Lamento, cara Luísa, mas desta vez tenho que discordar consigo. O mistério foi mesmo desvendado, até porque não foi em nenhum cinema do Corte Inglês. ;-D

Não, GJ, não era um desses cinemas. (risos)
E só uso óculos para ver ao perto. Para mim o mistério está desvendado. ;-)

Acho que não, Cristina... apenas desconversando. :-)

Júlia Moura Lopes disse...

vá lá ver outra vez, Mike, e não esqueça de trazer a foto do Brad Pit envelhecido, deve estar um must!

Mike disse...

Ó Júlia, não é filme que me leve duas vezes a vê-lo. :-)

Júlia Moura Lopes disse...

também lhe dou razão, já li criticas que não me convenceram :-/

ana v. disse...

Esse ainda não vi, mas já vejo que não vale a pena chegar muito cedo...

LADY-BIRD, ANTITABÁGIKA, FÃ DO JOMI LOL E JÁ AGORA DO NOSSO AMIGO ANTI-TECNOLOGIAS: MARCHANTE (se não existisse tinham que o inventar) disse...

Mike, com intervalo, e deu para fumar(ar livre) e ir ao wc, aposto no Londres...lol

Mas afinal, o filme é bom ou não?

beijinho

Mike disse...

Pelos vistos as senhoras acham que não vale a pena chegar cedo, sim, Ana. ;-)

Tep, Lady Bird, teria sido no Londres se eu tivesse realmente ido ver o filme. (muitos risos)

Mike disse...

Pelos vistos as senhoras acham que não vale a pena chegar cedo, sim, Ana. ;-)

Tep, Lady Bird, teria sido no Londres se eu tivesse realmente ido ver o filme. (muitos risos)

Mike disse...

Pelos vistos as senhoras acham que não vale a pena chegar cedo, sim, Ana. ;-)

Tep, Lady Bird, teria sido no Londres se eu tivesse realmente ido ver o filme. (muitos risos)

Arquivo do blog