28.2.09

Da vida do Convento sabem os que lá estão dentro.

A propósito de um texto que considero um primor, tendo acrescentado no meu comentário que o achava perigosamente lúcido e convincente, não contive a vontade de escrever sobre um tema que se tem vindo a banalizar, sem contudo perder o carácter doloroso que o envolve. Creio tratar-se do divórcio. E digo creio porque o esse texto magnífico não o dissocia, e bem, do passo que o antecede: o casamento. E continuo a dizer creio porque, na sua essência, o tema se foca no papel que os amigos de casais desavindos poderão ter quando o divórcio invade a vida do casal e as vidas dos que são casados, e dos que são amigos. Não vou escrever muito, apesar de, infelizmente, me poder considerar uma espécie de entendido sobre a matéria. Sem a superior lucidez da autora do texto a que me refiro, alguém que pessoa alguma deveria desdenhar a sua amizade, tentarei focar-me no essencial, na esperança que este post fundamente a minha posição de não avançar com a petição que é sugerida. É melhor ir directamente ao assunto. Os divórcios, no sentido mais lato e abarcando tudo o que os envolve, não podem ser generalizados. Sei-o por experiência própria. Há divórcios em que os amigos se afastam e passado o tempo que as partes reservam e clamam para si, se reaproximam; há outros em que os amigos se afastam e não há tempo algum que proporcione a reaproximação; e há ainda outros em que os amigos comuns mantêm um equilíbrio e uma equidistância saudável e natural que os faz permanecer amigos de quem se divorcia. O problema, e aqui inicio a justificação ao meu declinar do convite à petição, é que os amigos realmente sabem de tudo e vendo de fora vêem melhor, mas se mantiveram o afastamento que se impõe durante o casamento, já que entre marido e mulher não se mete a colher, e mesmo assistindo-lhes o direito de analisar, opinar, argumentar, sugerir e até tomar partido, lei nenhuma, a meu ver, deveria impor ao divórcio uma participação que cabe a cada amigo decidir se o deve fazer e até onde o deve fazer. É que se da vida do Convento sabem os que lá estão dentro, são também esses que sabem, ou deviam saber, porque o querem abandonar.

16 comentários:

JúliaML disse...

:-(

mas hoje não é fm de semana?

Mike disse...

Ora, também há fim-de-semana no Convento... (muitos risos)

Luísa disse...

Como posso responder, Mike, não só às suas referências muito simpáticas e benevolentes, como às suas conclusões? Talvez dizendo que:
1. O meu post é, na verdade, apenas um desabafo um pouco triste e desalentado.
2. Compreendo as separações quando há intromissão de uma terceira pessoa; compreendo também as separações-intervalo; tenho dificuldade em compreender aquelas (definitivas) para que se invoca, exclusivamente, a justificação de um mero «arrefecimento» de paixões.
3. Mas sei que a falta de compreensão referida no ponto anterior é um problema exclusivamente meu, e não do «casal desavindo». Que não tenho condições para medir o alcance prático de um tal «arrefecimento».
4. Ainda assim, confesso que cada vez me preocupa mais saber, não como vou envelhecer, mas com quem vou envelhecer (este «com quem» não tendo de se referir, necessariamente, a um cônjuge).
5. Por último, queria deixar claro que, se algum dia pensar em divorciar-me, autorizo todos os meus amigos – incluindo blogosféricos – a dizer de sua justiça… pois que sou eu senão uma poeira perdida num mundo de poeiras batidas por ventos, que todas (poeiras) não somos demais para conseguir contrariar?...
E pronto: já arrumei a petição na gaveta. ;-D

Mike disse...

A minha opinião não será suficiente para arrumar a petição, Luísa. E deixe-me que lhe diga que o seu comentário respira a mesma lucidez do seu post. :)
Hesitei em escrever, mas mesmo assim vou arriscar... se um dia pensasse em divorciar-se, este seu amigo blogosférico dir-lhe-ia "Tenha juízo, senhora. Vá lá ter com o seu homem e resolvam as pequenas coisas, que as grandes resolvem-se por si. E não me volte com conversas dessas, ouviu?" (muitos risos).
p.s. - espero que não me leve a mal esta brincadeira desabrida. ;)

ana v. disse...

Estou contigo, Mike (e eu sou, como tu, uma espécie de entendida na matéria...). Cada separação, seja em forma de divórcio ou noutra qualquer, é um caso. Não cabe aos amigos interferir numa decisão de que desconhecem o essencial. Conhecem quase sempre uma das duas versões, e mesmo que conheçam ambas, sabem apenas aquilo que os dois querem transmitir. O papel dos amigos deve ser apoiar (às vezes, só "estar lá") e o melhor é não se meterem muito, até porque nunca se sabe como a coisa pode acabar. Conheço mais de um caso em que houve reconciliação mais tarde, e os amigos que tinham tomado partido tiveram que dar o dito por não dito. Alguns até ficaram em maus lençóis, porque é humano procurar um bode expiatório qualquer para justificar atitudes inesperadas...
Mas nem sempre é possível ser-se equidistante. Depende de tantas, tantas variantes, que o melhor é não fazer leis sobre o assunto... :-)

Há separações que fazem todo o sentido, mesmo sem intromissões de terceiros, Luísa. Basta que deixe de fazer sentido que as pessoas estejam juntas, e isso acontece.
Partilho o seu desejo de um envelhecimento com companhia, mas não quero que ninguém esteja comigo por essa razão. Pelo menos no papel de cônjuge... :-)

claras manhãs disse...

bem cá vai a minha opinião, em posição igual à do Mike e da Ana.
Apesar de tudo, os amigos nunca sabem tudo, pelo menos no meu caso.
Há coisas que não se contam, seja por feitio, seja por intimidade tão profunda.
Separei-me há 34 anos e só o meu actual marido sabe a razão da minha separação. Ninguém mais.
E Luisa, às vezes dizemos que 'arrefeceu' o amor, só para se não contar o incontável.

Bom fim de semana a todos.

Mike disse...

Ai, Ana... assim a Luísa vai ficar triste e vai acabar por arrumar a petição na gaveta. ;)

Mike disse...

Minucha, está visto que a Luísa é uma amiga especial, daquelas como há poucas hoje em dia, a quem, talvez, se possa contar o incontável. :)

LADY-BIRD, ANTITABÁGIKA, FÃ DO JOMI LOL E JÁ AGORA DOS NOSSOS AMIGOS ANTI-TECNOLOGIAS: MARCHANTE´S (se não existissem tinham que ser inventados) disse...

O Mike deve ser fresco...deve, deve...=P
Já comentei no Nocturno... considero que a petição para modificação da lei seria demais...
Mais uma coisa, com todo o respeito, quem seria o "ceguinho" que iria querer separar-se da Luísa?

ps: perdoe-me Luísa não resisti...

ps: Mike, a propósito do outro post do Nocturno, a Fugidia disse que gostava delas redondinhas...lol... mas o quê, não percebi e fiquei intrigada...

beijinho

Mike disse...

Para que não fique intrigada, Lady Bird, digo-lhe que gosto delas (mulheres) redondinhas. Como as de Botero. (risos)

Luz disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Luz disse...

Não conhecia a frase mas amei e concordo 100%. Da vida do convento sabem os que estão lá dentro. Vou passar a utilizar.
Acho que sou um pouco especialista no assunto, afinal sou divorciada e cheia de amigos na mesma situação.
E creio sou privilegiada. Não tomo partido e não levo e trago.Procuro ser justa e imparcial. Com essa postura tenho conseguido manter as amizades.E muitas vezes até fortificá-las.

LADY-BIRD, ANTITABÁGIKA, FÃ DO JOMI LOL E JÁ AGORA DOS NOSSOS AMIGOS ANTI-TECNOLOGIAS: MARCHANTE´S (se não existissem tinham que ser inventados) disse...

A sério Mike? lol... não fazia ideia, ficará registado para memória futura... mas de Botero são mais que redondinhas, um empurrãozito e rebolam...lol

beijinho

Margarida disse...

Esperei que o post ficasse um pouco para trás para poder comentar. Não gosto de ter opinião quando a coisa é tão intima e tão diferente de casal para caso :)

Embora entenda a necessidade de protecção da intimidade por parte dos intervenientes, também entendo o ponto de vista dos amigos; afinal eles é que os viram no auge do casamento, nas festas em que eles eram os únicos que ainda se abraçavam, nos jantares lá em casa que corriam tão bem e nos momentos de aflição em que eles eram os primeiros a ajudar... "eram tão felizes e esqueceram-se do que os uniam... vamos lá lembrar-lhes". Funciona? não, não funciona mas acredito que essa atitude não é feita de má vontade nem sequer acham que estão "fora do convento". Afinal, somos "uma matilha" e "éramos tão unidos, todos".

Lá está, não devia dar opinião porque ora estou no corpo do amigo que quer ajudar um casal a lembrar-se do que os une e ora estou no lugar do casal que está convencido de que nada o une mais ao outro.


(aiiii, que seca, isto de ser séria!!!!)


Boa semana, Mike

Mike disse...

Ser séria é uma coisa, ser seca é outra, Margarida. :)
Nada a opor sobre o que diz. A maior parte de nós já passou, infelizmente, por situações semelhantes. A questão prende-se com um aspecto legal que a Luísa propõe. E aí finco o pé: lei nenhuma deverá... :)

¤¤¤¤ disse...

Os amigos que se intrometem são excelentes, ou melhor ainda, um mal necessário!

Desta forma (entre outras) poderemos ter a certeza que os fundamentos da relação que construimos com o nosso par são de rocha inviolavel e inquebravel.

Tudo que abale esta fundação significa que a relação só por si já estaria condenada a ruir.

Cabe a posteriori avaliar os estragos, reconhecer os erros e quiça mudar de fornecedor de betão.

Arquivo do blog