16.11.08

A reconquista de territórios nunca foi tarefa fácil e tem sempre consequências.

Um homem divorcia-se e, apesar de viver com os filhos, uma das perspectivas que volta a colocar a si próprio é a da reconquista de territórios outrora perdidos ou cedidos. Leiam-se territórios, espaços vitais que estão ali a nossos pés, rogando que os aproveitemos ilimitadamente. Pura ilusão. Há casos em que um homem divorcia-se mais continua a viver com mulheres, mesmo no exagero de considerar mulher uma delas, com dez anos. Às minhas filhas não lhes basta o quarto que nem é partilhado, tendo cada uma o seu. À mais nova, a de dez anos, bastou ouvir que se estava a ponderar a remodelação do quarto dela para, sem hesitar, reclamar uma cadeira para além da que está na escrivaninha. Uma bola de cristal é absolutamente dispensável para se adivinhar o uso que será (ou seria?) dado à cadeira. Elas parecem polvos de enormes tentáculos, ou medusas gigantes, ocupando um espaço e marcando um território como foras-de-lei no Oeste americano. Não o marcam a tiros, mas fazem-no com uma mestria, rapidez e talento de que só as mulheres parecem ser possuidoras. Quando as escrivaninhas delas estão incapazes de ser utilizadas, a mais nova ocupa a minha mesa de trabalho e a mais velha a da sala de jantar. Quando a minha mesa passa a estar imprópria e na mesa da sala de jantar já não cabe nem uma maçã, uma delas estende mais um tentáculo e ocupa a mesa de centro da sala de estar e os sofás. A outra, parecendo disputar um território que acredita pertencer-lhe, acerca-se do irmão mais velho e, claro, convence-o a ceder-lhe parte do quarto, empurrando-o, enquanto o Diabo esfrega um olho, de lá para fora. Os homens da casa desesperam diante da inevitabilidade de lhes sobrar o chão e parte da bancada da cozinha. Quando se aprestam a entregar-se ao que parece ser mais uma derrota, prontos para assumirem que o território foi definitivamente conquistado pelas madames, eis que a salvação chega pelas mãos do mais novo que tem quatro anos. Pai, precisamos de espaço para brincarmos às construções com o Lego. Caramba, nesses momentos, o verbo utilizado na primeira pessoa do plural soa-nos como trombetas que nos devolvem a coragem e também a crença de que algo poderá mudar e que, afinal, o território, o tal espaço vital não está ainda perdido. O prazer começa quando miramos o olhar aterrorizado das mulheres da casa. Sim, madames, preparem-se para o pior. Recolham o que puderem que a Cavalaria está a chegar. O mais novo, esse aprendiz de pirata, delicia-se, e um sorriso de predador surge no seu rosto. O mais velho grita we came in peace, you go in pieces e eu, com um sorriso cândido, mas sentindo que o poder está nas minhas mãos, apenas murmuro um hasta la vista babies. Nem questionamos o trabalho de arrumar as centenas de peças de Lego que são despejadas nas mesas e no chão das salas. O ruído é aterrorizador, mais parecendo o ribombar de canhões apontados a territórios outrora livres e agora ocupados pelas madamoiselles. Gritos, o pânico vive-se nas salas e elas tentando recolher o pouco que sobra dos seus exércitos, recuam em debandada para o escritório. Tarde de mais. O mais novo corta-lhes a retirada e o caos instala-se. Um dos baldes de Lego houvera devolvido o território que as invasoras acreditaram ter sido conquistado para sempre. Elas sentem-se perdidas, adivinham a derrota e recolhem aos respectivos quartos. O mais velho regressa ao dele e, num tom de voz que faz prever o pior, avisa que irá ler as mensagens do telemóvel que encontrou no seu território. Alvoroçadas e em pânico, saem ambas dos quartos, chocam uma com a outra, parecendo duas personagens de um filme de bonecos animados. Barro-lhes o caminho. Onde pensam que vão meninas? Mas pai... tarde de mais, não há lugar a mas. O mais novo excita-se, leva a batalha a sério e atira com uma peça de Lego à mais nova, que se enfurece. O mais velho diz que já leu cinco mensagens e ri-se. A casa está o caos, mas as cancelas da fronteira só são erguidas quando se comprometem a levarem o que lhes pertence para os seus quartos. Despojos de guerra, como lhes chamo. A dona do telemóvel implora. Levanto o braço e deixo-a passar. A que não é a dona suspira de alívio. O cão do vizinho de cima ladra empolgado com a disputa residencial que se assemelha a uma batalha campal. Despojos de guerra esperam tombados e inertes, aguardando a recolha. Dizia eu que um homem divorcia-se e pensa que a reconquista de alguns territórios é um dado adquirido. Mas não, a ocupação de territórios nunca foi, nem será, tarefa fácil ou sem consequências. Uma delas é ter que arrumar o Lego.

21 comentários:

fugidia disse...

lol lol lol
:-)

ana v. disse...

Grande texto, Mike, que me fez rir com gosto. E também grande paciência, coragem, saúde, ânimo, energia... livra! :-)

Mike disse...

Ria-se, menina Fugidia... porque não sabe o que é viver na "Pensão Estrelinha"... lol. :-)

Mike disse...

Nada de mais, Ana. Se não os podemos vencer, juntamo-nos a eles... (risos)

Luísa disse...

Pois eu noto, com desgosto, Mike, que enfileira pelas tropas masculinas. Resta-me desejar que a arrumação do Lego seja um verdadeiro trabalho forçado e que as suas filhotas se lembrem de sugerir a separação das milhentas peças por lotes de portas, janelas, telhados, rodas, paralelepípedos de um por dois, paralelepípedos de dois por dois, paralelepípedos de dois por quatro, placas, bonecos, pavimentos, avulsos… É assim que temos o Lego arrumadinho cá em casa, e é assim que deve ser. ;-D

fugidia disse...

lolololololollo
(agora explodi a rir, com o comentário da Luísa)

Ora, também sei o que é viver com duas medusas-migalhas-gigantes-que-acham-que-o-espaço-habitacional-só-serve-para-acumular-papéis-papéis-e-papéis-e-roupas-espalhadas-e-e-e-e-e-e-quejandos!
:-)

JúliaML disse...

bom texto!ri com gosto e segui a confusão.

que nos diz da perfeita confusão que vai na sua casinha, Mike.

E as pistas dos carros? não há? grrrrrrrr

agora entendo, Mister porqu anseia ir para a holanda.ehehhehe

José, o Alfredo disse...

Arrumar Legos é cortar-lhes a possibilidade, que parece sempre iminente, de eles se construirem a si próprios. Tal como os fios eléctricos têm aquela estranha capacidade de se enrolarem sozinhos, os Legos, se forem devidamente desarrumados, podem sempre sugerir-nos novas formas, novas dimensões, novos conceitos.

Mike disse...

Luísa, cá em casa o Lego é arrumado à pazada. Tudo ao molho e fé nas caixas. (risos)
E peço-lhe que não dê ideias às medusas que, após a derrota têm o direito de se manter caladas e nos seus quartos, e tudo o que disserem ou fizerem pode virar-se contra elas. Até algumas peças de Lego. (mais risos)

Acredito, Fugidia. Mas estas medusas às vezes parecem polvos gigantes, saídos de contos de Júlio Verne. :-)

Júlia, a confusão na "Pensão Estrelinha" é momentânea e tem sempre fim. Se lá fosse a casa hoje de manhã encontrava-a exemplar e num brinco, mesmo antes da empregada chegar. E sim! Há pistas de carros barulhentas. (risada)

Mike disse...

José, o método da pazada proporciona a criação desses novos conceitos que mencionas. Apesar de, por princípio, não me agradar a ideia de arrumar Lego assim porque as peças perdem fixação. Mas com o tempo fui perdendo esses princípios.

Leonor disse...

Estou rendida aos seus textos dotados de uma imensa ternura e sensibilidade. Parabéns, Mike, desta sua confessa admiradora.

mike disse...

Leonor, vindas de quem vêm, as suas palavras deixam-me meio sem jeito. :-)
Obrigado.

Grande Jóia disse...

Mike, bravo ou bravo Mike? Os legos e o combóio eléctrico são dramáticos e as pistas de automóveis também.
Imagino que a sua filha queira uma cadeira extra para "arrumar" um amontoado de roupa. ;)

Mike disse...

(risos)
Grande Jóia, digamos que as pistas, de carros e de combóio, são dramáticas, o Lego nem por isso. :-)
E claro! Que a cadeira seria para "arrumar" a roupa... coisas de meninas, certo? (mais risos)

Leonor disse...

De meninas e menos meninas, Mike, uma cadeira para a roupa dá tanto jeito!
Beijinho

**** disse...

"Splendid!"... e frenético! (:

Mike disse...

Pois dá Leonor. Mas é às meninas... (risos)

Obrigado, ****. :-)

Anónimo disse...

I found this site using [url=http://google.com]google.com[/url] And i want to thank you for your work. You have done really very good site. Great work, great site! Thank you!

Sorry for offtopic

Anónimo disse...

Who knows where to download XRumer 5.0 Palladium?
Help, please. All recommend this program to effectively advertise on the Internet, this is the best program!

Anónimo disse...

[url=http://moodlee.alphaplus.ca/sso/hive/]viagra free shipping[/url]

Anónimo disse...

Helo ! Forex - Outwork чашкой кофе наслаждаться ситуация стала независимой, достаточно зарегистрироваться forex [url=http://foxfox.ifxworld.com/]forex[/url]

Arquivo do blog