7.2.10

Alguém me explica?

Nas terapias não é suposto instalarmo-nos confortavelmente? Então por que raio alguém se lembra em transformá-las em longas, agradáveis, mas esgotantes caminhadas?

25 comentários:

fugidia disse...

Mas há lá melhor terapia do que andar a pé, Mister?!
Se calhar foi demais para o velhote...
(risos abafados)

Luísa disse...

Quem é o clínico, Mike? É que, dependendo do problema, há questões a que uma boa e esgotante caminhada dá a melhor resposta. Questões de insegurança por arredondamento das formas, por exemplo… ;-D

bacouca disse...

Mike,
As terapias variam conforme os motivos: uma caminhada esgotante mas agradável faz libertar muitas toxinas corporais como psiquicas. Agora acho que precisa de terminar com uma boa massagem. Aí não fica instalado: garanto-lhe que flutua!!!(Olhe que são anos de experiência no Oriente).
Xi

Dulce Braga disse...

Uma caminhada de alguns quilometros arrematada com um mergulho no mar, é cura garantida, da ressaca...a todos os males do espirito!:)))

Mike disse...

Fugidia,

Velhote?... humprfftt!!!

...................................

Luísa,

Não tenho qualquer problema em dizer que o clínico sou (fui) eu. Mas tenho algumas reservas, como deve calcular, até pela ética que se impõe em assuntos como este, em expor o, neste caso a, paciente. Digamos que, sem me alongar, uma das questões tinha a ver com o que menciona. E mais não digo, como deve calcular, esperando a sua compreensão. (risos)

...................................

Bacouca,

Sim, eu sei, mas eu fui o clínico, entende? Quanto à massagem, vou contar-lhe um segredo: acho que em toda a minha vida devo ter levado para aí uma... por isso passo bem sem ela. É que ninguém sente falta do que nunca teve, certo? :D
Xi.

...................................

Dulce,

Menina, mergulho no mar nesta altura do ano, só se a caminhada for em Búzios, Angra dos Reis, Maresias, Ubatuba ou Ilhabela... (risos)
Aqui não cura nada, pelo contrário. :))

a tua mulher disse...

Uma das questões era de «insegurança por arredondamento das formas»?!
Ora esta!
E os músculos das tuas pernas, tão esgotadinhos que estavam: melhorzitos?!
Humpfrt!

Mike disse...

Estão melhores, obrigado. É o preço que um clínico dedicado tem que pagar. (riso abafado)

a tua mulher disse...

Bah!
:-p

Mike disse...

Os meus músculos não são o mais importante. A questão é: diminuiu a "insegurança por arredondamento das formas"? (gargalhada abafada)

a tua mulher disse...

Whati?!
Grrrr

Pois devias preocupar-te com os teus músculos, sim: com a catrefada de chocolates e batatas fritas e tudo e tudo que me colocas à frente a cada instante qualquer dia pareces este cavalheiro entre os minutos 1.35 e 1.40...

:-D

ana v. disse...

LOL. O video é uma delícia, "a mulher dele"!

Catarina disse...

A "mulher dele" é uma hipopótama? E ele é assim tão magro? Vieste filme nos anos 50 e nunca mais me esqueci. Aliás, comprei o vídeo. Mike, não se deixe amedrontar. Mande-a fazer uma dieta de ervas!

Catarina disse...

Queria dizer verduras...

:- |)

Catarina disse...

Desculpe, é o sono: vi este filme.

Catarina disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Mike disse...

Catarina,

Não. Ela é uma adorável criatura, leve e sedutora, com imenso humor e apaixonante... Ele? ele é, digamos, um "falso-magro", apesar de parecer magrito ao pé dela... (shiii, esta era escusada)

Mando o quê?... eu não mando nada, safa!... viu mesmo o filme? e acha que vou arriscar em mandar alguma coisa? (riso nervoso)

a tua irritada mulher disse...

... essa era escusada...
(olhar fulminante)

Mike disse...

Catarina,

Esqueça o imenso humor...

a tua controlada mulher disse...

:-p

L. Rodrigues disse...

Na psicanálise há o divã. Mas só nessa. Acho que ali a ideia é ir dormindo sobre os problemas nos 20 anos seguintes.
Mas nas outras terapias, acho que há de tudo. Inclusive o martírio do corpo.

Mike disse...

L.,

Caraças, pá... um gajo não espera solidariedade delas, mas também tu L.? É que há martírios gostosos, mas longas caminhadas?

L. Rodrigues disse...

Olha... só te digo que se fores ver o Anticristo do Lars von Trier, coisa que fiz este fim de semana, vais perceber a sorte que tiveste enquanto terapeuta que trata a própria mulher e vai dar um passeio pela floresta.

Pista: estão os dois vivos? Não te falta nenhum bocado? Óptimo! Parabéns.:)

mike disse...

L.,

Ups!... se pões as coisas assim (e sim, estamos vivos, não nos falta nenhum bocado, ou o bocado que falta estava concerteza a mais), já cá não está quem falou.

By the way, e vale a pena ir ao cinema ver esse Anticristo ou continuo com as caminhadas?

L. Rodrigues disse...

Dá corda aos sapatos :)

Mike disse...

Thx, L. :)

Arquivo do blog