31.7.08

Arrependimento. Sim, não, ou talvez?

A frase da fotografia não é politicamente correcta e é mal vista socialmente. Na sua origem, arrependimento significa, do ponto de vista prático, mudança de atitude. Ou deveria significar, para evitar que a penitência, nas palavras de Freud, se tornasse numa técnica facilitadora do assassínio, tal como os povos bárbaros faziam uso após as suas grandes ondas migradoras, onde espalhavam a morte. Dramatizando a questão, o arrependimento surge depois de pecarmos e impõe-nos, invariavelmente, grandes exigências de carácter moral, mas raramente nos conduz ao que é essencial na moral. A renúncia. Arrependimento, mais que uma palavra, vejo-o como um conceito nem sempre linear e claro, e que, no meu caso, por mais que tente obter outra perspectiva, associo a um acto de contrição, a pesar e a remorso. Na nossa cultura, esse conceito está inquinado por influências religiosas e lembro-me de ter lido, algures, que o arrependimento é a chave que abre todas as fechaduras, ou que Deus fez do arrependimento a virtude dos mortais. Ora bolas, e eu que pensava que a chave que abria as fechaduras era a honestidade e a virtude dos mortais era a verdade, não obstante já ter sido desonesto, comigo e com outros, e já ter mentido. Arrependimento, como o vejo, envolve castigo, uma espécie de auto-flagelação pelos erros cometidos e pressupõe uma firme decisão e consequente prática, de não mais cometer os mesmos erros. Na verdade, de nada serve atormentarmo-nos com uma coisa depois de a termos feito, senão torná-la pior. Ou para que serve o arrependimento se isso não muda nada? Lembrei-me de Picasso, quando afirmou que o que tinha feito já feito não lhe interessava, o que lhe interessava era o que ainda não tinha feito. Errei, casei-me, divorciei-me, errei, fui infeliz, fiz pessoas infelizes, fui injusto, menti. Acertei, amei, fui amado, acertei, fui feliz, fiz pessoas felizes, fui justo, disse a verdade. Vou escrever no presente. Erro, acerto, amo, sou amado, sou feliz, faço pessoas felizes, sou injusto, sou justo, minto, digo a verdade. Arrependimento obriga a olhar e a reflectir sobre os actos passados e sobre os erros cometidos. Pesar, remorso, contrição, castigo. Não sinto e não pratico. Então desta vez serei honesto. Nunca me arrependi de nada e não me arrependo de coisa alguma.

10 comentários:

philippine lotto result disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
lottery disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
lottery disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
Corine disse...

'Better sorry than safe'

mike disse...

I guess you're right, Corine... :)

JúliaML disse...

também não consigo arrepender-me de nada...mesmo daquiles actos que considero erros, eu encontro argumentos, justificações. E deleito-me com as minhas loucuras.

beijinho, Mike

mike disse...

Júlia, :)

ana v. disse...

Mike, o Picasso é um péssimo exemplo... no que toca a relações humanas (amorosas e não só) deveria ter-se arrependido de quase tudo...
:)

mike disse...

Pode até ser, Ana. Mas como o arrependimento é uma coisa pessoal e não ditada por outros... e ele não era homem de olhar para trás... :)

ana v. disse...

Nem de olhar para o lado, Mike... infelizmente para as mulheres que se aproximaram dele. Excelente pintor, mas um ser humano execrável!

Arquivo do blog