9.9.08

Uma carga de trabalhos

O sentido genérico da palavra trabalho, tal como hoje lhe é atribuído, teve início no século XIV e pode ser resumido como "aplicação das forças e faculdades (talentos e habilidades) humanas para alcançar um determinado fim". Com a especialidade das actividades humanas, imposta pela pela evolução cultural e especialmente pela Revolução Industrial, a palavra trabalho tem hoje uma série de diferentes significados. Na Idade Média, ao trabalho era associado um significado mais simples e directo: actividades físicas produzidas pelos trabalhadores em geral, fossem eles camponeses, artesãos, agricultores ou pedreiros. Nos tempos actuais devem incluir-se os publicitários. Contudo não deixa de ser curioso que em tempos idos havia um instrumento de tortura constituído por três paus (tri paliu) e que, originalmente, trabalhar significava ser torturado no tripaliu, um vocábulo do latim onde a palavra trabalho tem a sua origem. Pelo menos a mim ajudou-me a explicar porque é que passado tanto tempo (vários séculos) às vezes há dias em que nos metemos numa carga de trabalhos. Ou seja, o tripaliu fustiga-nos sem dó, nem piedade. O lado bom é que se nos metemos, havemos de sair. Ó tripaliu acalma-te lá um bocado que quero ir para casa.

8 comentários:

teresa ribeiro disse...

E a carga de trabalhos que dá assimilar tudo o que aprendemos na leitura de posts como este? :))

mike disse...

(risos) Está na hora de ir para casa, Teresa. :-)

fugidia disse...

Oh Mister, espero que tenha descansado e sarado as feridas do raio do tripalium...
:-)))

José, o Alfredo disse...

Tudo começa logo no Génesis, quando O grande chefe instaura um processo disciplinar sumaríssimo ao casal de assalariados, por comportamento indecoroso no local de trabalho e tentativa de acesso a informação privilegiada. As penas aplicadas pel'O grande chefe, que não se deve ter lembrado de nada pior, são o trabalho de parto para ela e o trabalho propriamente dito para ele.

Nos últimos tempos, vá-se lá saber porquê, ela decidiu acumular os trabalhos dele com os dela e transformar a vida do planeta inteiro numa verdadeira carga de tripalius.

fugidia disse...

(gargalhada)
... mania de emancipação... deu nisto...
:-D

mike disse...

Ora, inverti as coisas, Fugidia. Meti o trabalho no tripaliu. ;-)

Ó José, é que se elas se metessem apenas elas em tripalius... agora arrastar o resto do planeta... safa. Um prazer reler-te.

Ah, as emancipações, Fugidia... (riso contido)

Luísa disse...

Logo vi, Mike, que o trabalho não podia ter bons antecedentes. E assim se explica por que é que detesto trabalhar, embora goste de fazer coisas. :-)

mike disse...

(muitos risos)
Luísa, ainda vou indagar a origem do conceito fazer coisas. (mais risos)

Arquivo do blog