20.10.09

O que é nacional é bom (XVII)

Foi jornalista, é romancista, dramaturgo e poeta. José Saramago nasceu no Ribatejo, filho de uma família humilde. Vive nas Canárias e foi galardoado com o Prémio Camões e o Prémio Nobel da Literatura. É português, é bom e é respeitado em todo o mundo. E já agora, porque não, está também a revelar-se um marketeer de primeira água.

22 comentários:

cristina ribeiro disse...

...e no me gusta, nem como escritor ( bem, li com agrado « Memorial do Convento » e « O Ano da Morte de Ricardo Reis », e, muito menos, como pessoa.

Ana Mestre disse...

Gosto de alguns livros dele,mas este protagonismo, no me gusta nada :)

Mas como já disse no DO isto vai servir para o livro se tornar um best- seller.

Mike disse...

Cristina,

Então vamos a confissões: o único livro que li de Saramago foi "As Pequenas Memórias", oferecido por um amigo meu, depois de ter ficado a meio, ou nem isso, em outras várias tentativas com outros livros, entre os quais os que menciona. Gostei do livro que li, mas nem por isso me aventurei a ler outro. Mas é nacional, é bom e vai, com esta celeuma, criar outro best-seller.

...................................

Ana,

Pois... goste-se ou não, o livro mais recente vai vender-se à grande. ;)

Austeriana disse...

Ora, nem mais! Não li o livro nem sei se o vou fazer. A obra de Saramago nunca me entusiamou. Mas a ligeireza com que profere disparates sobre questões complexas, com implicações milenares não abona nada a favor de "Caim".

Mike disse...

Seja Bem vinda Austeriana. :)
Discordo quando diz que as questões abordadas não abonam nada a favor de "Caim". Não tenho intenção de o ler, mas creio que se vai vender.

Patti disse...

Sinceramente Mike, um português que me diz muito pouco e o pouco que diz não é abona em seu favor. Por mim, ficava lá por terras de Lanzarote, já que apregoa a união ibérica.

Estou a meio do Memorial, vai para três anos. Acho-lhe piada aos nomes que inventa para os personagens. Mas só.

Mike disse...

Respeito a sua posição, Patti.
Mas a obra está aí, o escritor tem reputação e foi Prémio Nobel. Se me perguntar se gosto, dir-lhe-ei que gosto tanto de Saramago como de fado, da Amália, ou dos doces conventuais, ou seja, pouco, muito pouco, quase nada. Mas considero-o, tal como considerei a Amália, nacional e bom. O resto é pessoal e no critério que defini para o caso os meus gostos pessoais ficam de fora. :)

JB disse...

Sempre tive alguma dificuldade em gostar muito de uma obra (no sentido lato) se embirrasse com o escritor. Saramago mudou de uma indiferença militante que lhe devotava (apesar de dois livros lidos) para uma embirração pouco cristã. Nunca ninguem fez tanto pela minha bilís.
Se o Saramago é português eu posso querer ser espanhol?
Um abraço, ainda com a visão do fumo charutado que se enrola...

Luísa disse...

...... (silêncio muito reservado) ......

ana v. disse...

Nacional? Muito pouco, segundo o próprio. Bom? Depende: em alguns livros é genial, noutros medíocre. Mal educado? Muito. Esperto? Também muito, a avaliar pela "conveniência" da polémica numa altura em que tem um livro para vender. Numa coisa te dou inteira razão: o homem é um bom marketeer.

Quanto ao Nobel, já o disse mais do que uma vez: para mim, é da Sophia.

Mike disse...

JB,

Creio que o meu comentário ao comentário da Patti me situa relativamente a Saramago.
Um abraço idêntico. :)

...................................

Luísa,

Compreensível, esse seu silêncio muito reservado. ;)

...................................

Ana,

O muito pouco nacional do Saramago não é diferente do nosso muito pouco nacional, não achas? só que ele não tem papas na língua e chama os bois pelos nomes. Mas não nos vamos pôr a discutir, ok? (risos)
É claro que entendo tudo, mesmo tudo o que dizes. E aceito. :)

Margarida disse...

De nacional tem pouco (não li os comentários anteriores mas tenho a certeza que escreveram o mesmo). Mike, o homem tem muito pouco de português. Quer um exemplo? se ele tivesse um blog chamado "DESCONVERSA", seria pouco provável que tivesse essa rubrica de "O que é nacional é bom". Naõ gosto dele nem do protagonismo procurado com escândalos e dedos em feridas desnecessários. Já a beyonce, se fosse homem? tinha um poster dela no meu quarto. É uma Mulher!

Margarida disse...

Tou aflita de dinheiro e aproveitei a pagina para comentar o post de cima :P

Mike disse...

Ó Margarida, mas não paga mais por isso, ora. E é sempre bem vinda. :)
Pronto, não falo nem escrevo mais do que já falei e escrevi sobre o NOSSO Saramago. (risos)
Quanto à Beyoncé, estamos de acordo. Um mulheraço! :D

Mike disse...

Já agora, se me permite e sem querer ser impertinente, que ideia foi essa de nos vedar os comentários? Então não é 100 filtro??? Que chatisse! ;)

Margarida disse...

escreve-se "Chatice", Mike :P

Um dia eu abro

(Sabe... estava na esperança que me mandace um mail a perguntar o que ce tinha paçado...)

(falhei...)


:))))

Mike disse...

Ups! que chatice... (risos)
Vá, abra lá os comentários e pare de reinar que errare humanum est. (mais risos)

GJ disse...

Cada vez que Saramago escreve religião ficcionada está em apuros. Desta vez é diferente, com o estatuto de Nobel, a idade que tem e a Pilar aos comandos, o livro será um best-seller a nível mundial.
E depois, ele já não tem nada a provar na Terra e como não acredita na vida eterna ...

Mike disse...

GJ,

Faltava o seu pragmatismo, numa análise desapaixonada em poucas palavras. :)

Kika disse...

A quantidade de letras já escritas por causa deste assunto. Gostava de dar ao futuro e olhar para este tema com afastamento. E perceber o que justifica tanto sururu em volta de um livro e de um autor. Não passara mesmo tudo de marketing?
Resta-me fazer votos para que a polémica passe depressa. Estou cansada de ouvir tanto disparate.

Mike disse...

Kika,

Seja bem vinda.
Pessoalmente, acho que se passa algo mais que uma manobra de marketing. Também creio que se justifica o sururu atendendo ao tema, à posição e às declarações do autor. Quanto aos disparates, haverá sempre muitos.

bacouca disse...

Mike,
Só li uma obra dele para ter uma ideia: "jamais"!
Como alguem sugeriu porque não escreve sobre o Corão?
E sendo ateu porque ganha, ou sabe ele e a Pilar(belissima relações públicas!)escrevendo sobre a religião católica? Concerteza é daqueles: sou ateu graças a Deus!
Xi-coração

Arquivo do blog