13.3.09

Página 161, 5ª linha.

O testemunho foi-me passado pela Teresa Ribeiro do Delito de Opinião. Como a página 161 é um separador, passo a considerar a anterior que, na 5ª linha, diz assim: Nada disso exclui a necessidade de uma hierarquia que, do livro Limites Sem Trauma de Tania Zagury. Creio que não se perde nada se partilhar o parágrafo inteiro.

"Nada disso exclui a necessidade de uma hierarquia que inclua a autoridade dos pais que, em última instância, esgotados todos os demais recursos – esgotados todos os recursos, repito – a última palavra até que eles sejam adultos, independentes financeira, afectiva e profissionalmente, e sem que isso constitua autoritarismo, nem forma alguma de violência ou desrespeito (antes representa cuidado, responsabilidade e amor), será ainda a palavra dos pais".

8 comentários:

Luz disse...

Mike,

Quem ama põe limites. E eles ( os filhos) gostam, se sentem amados quando o fazemos.
Bom fim de semana.
Beijo
Lucia

JúliaML disse...

concordo com o comentário anterior :-)

Mike disse...

Estamos inteiramente de acordo, Lucia. Bom fm-de-semana para si, também. :)

Mike disse...

E desta vez, nós também, Júlia. ;D

Anónimo disse...

Só quem ama muito, se dá ao trabalho e vence o cansaço de plantar os imprescindíveis “NÃOS” na educação dos filhos, mas com certeza, anos mais tarde se deleitará colhendo os indescritíveis frutos.
Bjs
Dulce

mike disse...

A "palavra dos pais" não o seria sem esses imprescindíveis "nãos", Dulce. :)

Carla disse...

e o mais engraçado é que só entendemos este limites depois de sermos pais

Mike disse...

Acho que entendemos melhor o significado, Carla. Mas, no meu caso, não foi preciso chegar a pai para os entender e aceitar. :)

Arquivo do blog